5 métodos para encontrar a concentração perdida e aumentar a sua produtividade

 

Todos já passámos por fases importantes de um projeto em que não conseguimos ter a concentração que precisamos para fazê-lo avançar. Quem não? Mas já deve ter reparado que há alguns truques para deixar de sofrer essa auto-sabotagem. Hoje convido-o a ler quais são os métodos que melhor funcionam comigo.

Com certeza já lhe aconteceu sentar-se ao computador, e de repente caírem-lhe encima dezenas de emails, notificações e outras mensagens que lhe roubam a atenção. Ou então está a tentar concentrar-se no escritório mas os colegas interrompem-no para pedir qualquer coisa… e afinal cada conversa demora meia hora. Dá por si a ver as redes sociais ou a ler notícias irrelevantes para o momento, tem medo de falhar, sente sono, tudo lhe dá preguiça e continua a adiar e a procrastinar o que é urgente. Só consegue trabalhar aos poucos e superficialmente, e ao fim do dia repara que não avançou quase nada daquela entrega tão importante. Sente-se frustrado, bloqueado, ouve o relógio a marcar a conta atrás, mas não tem maneira de avançar!

Qual é a solução? Entrar em estado de Flowo estado mental altamente focado. Se não leu o livro ou nunca ouvi falar nesse conceito, não se preocupe, provavelmente já o experimentou mas nunca lhe deu um nome. É aquele estado incrível de produtividade e foco, no qual estamos tão submersos numa tarefa que não damos pelo tempo passar.

E como pode chegar a ele? Proponho cinco métodos simples que pode ter em conta para avançar nesse projeto, entregá-lo a tempo e com qualidade, e sentir-se um triunfador! Comigo funcionam.

1. Crie um ritual de início de trabalho

Cada vez que muda de tarefa (e começar a trabalhar é mesmo isso), todos precisamos de uns minutinhos para ganhar foco. Esse tempo pode ser usado como um ritual, que não é mais que um conjunto de hábitos com determinada intenção. Pode parecer tempo perdido, mas acredite que é antes o contrário: é tempo ganho a aquecer o cérebro, a planear o tempo e a meter mãos na massa. 

Muita gente medita por uns minutos, revê os pontos importantes do dia enquanto bebe um café, ou até vai dar uma breve caminhada ao parque ao lado para conseguir acordar a sua criatividade. Pessoalmente, se ainda for cedo e os meus filhos estiverem a dormir, gosto de escrever num diário tudo o que espero do dia, da semana, do mês ou até do ano. Faço um ponto da situação e confesso que é algo que me inspira muito, encho-me de energia e ganho um balanço espetacular para o dia que começa.

2. Escolha a tarefa mais importante

Para ser consciente das suas prioridades, sugiro que use um sistema de gestão de tarefas (pode ser um bloco de notas, um software, qualquer coisa serve desde que cumpra a sua missão) e mantenha a lista atualizada. Depois de as listar, atribua a cada tarefa uma categoria. Poderá fazê-lo através de um sistema de cores ou de etiquetas, e vai ver que, no processo, vai sentir mais de perto o risco de não concluir cada uma delas. Possivelmente só isto já lhe vai trazer alguma motivação extra.

Para mim o Trello é a minha tábua de salvação. Mantenho um Board chamado “Efficiency” no qual coloco (entre outras) 3 listas: ToDo, ToDo Semana e ToDo Hoje. Logo de manhã escolho 3 tarefas críticas que quero concluir no dia e faço os possíveis por manter essa lista limpa quando termino de trabalhar (passo as tarefas concluídas a uma lista chamada Feito). Isso dá-me sensação de arrumação e de trabalho cumprido.

3. Identifique os seus momentos mais criativos.

É dificílimo concentrarmo-nos quando estamos cansados e sem energia. Afinal, o cérebro é um músculo, e como tal, precisa de períodos alternados de trabalho e de descanso. A ciência do sono também já demonstrou que existem dois biorritmos diferentes: as ditas “andorinhas” e as “corujas”. O truque é maximizar o tempo de trabalho dentro desse periodo criativo.

As “andorinhas” têm esta questão da produtividade mais facilitada, uma vez que o trabalho costuma começar cedo (na verdade, nalguns países mais do que noutros). Se você for uma “coruja” e consegue dormir de manhã ou pelo menos o tempo que precisa, o melhor que tem a fazer é aproveitar as suas horas mais produtivas. E se bem há pouco disse que o mundo está feito para as andorinhas, na verdade as corujas conseguem ser hiperprodutivas quando têm possibilidade de aproveitar a sua “hora mágica”.

Durante muitos anos fui coruja… até ser mãe. Durante os primeiros meses das minhas duas maternidades passei tanto sono que jurei que nunca mais fazia noitadas. Por isso, hoje tento acordar cedo; se tiver dormido suficiente, o silêncio da madrugada e a frescura após o sono permitem-me uma concentração extra para fazer aquelas tarefas mais desafiantes do dia. E se, às 8h da manhã já tiver despachado o mais difícil, o dia está ganho! 

4. Elimine as distrações

Já foi demonstrado pela ciência: o “multitasking” é um mito. Se precisar de avançar significativamente nalguma tarefa, tem de deixar o resto de lado. A melhor maneira de conseguir fazer muitas coisas é fazê-las uma a uma. Simples mas difícil, não é?

Feche o email, avise os seus colegas que estará indisponível durante umas horas, desligue as notificações das suas ferramentas de comunicação, e feche a porta do teu escritório (se for caso disso). Ponha a tocar uma lista de reprodução de música tranquila ou inspiradora e submerja-se de pleno na tarefa. Uma das vantagens de trabalhar a partir de casa — o meu caso 70% do meu tempo — é que à partida há menos distrações e mais fácil concentrar-se.

5. Use a técnica Pomodoro

Uma vez que conseguir a desejada concentração, vai sentir a tentação de fazer tudo de rajada, especialmente se o prazo para concluir o trabalho estiver bem perto. Se esse não for o caso, pode dividir o trabalho em pequenas tranches que o vão ajudar a manter a concentração a médio prazo. Considere que o seu trabalho não é uma maratona ultra-trail, mas antes uma série de sprints!

A Técnica Pomodoro propõe trabalhar durante 25 minutos e fazer uma pausa de 5. Nessa pausa pode levantar-se da cadeira, esticar-se ou ir beber alguma coisa (lembre-se que a hidratação é fundamental para um melhor rendimento mental). Faça isto durante 4 ciclos e depois faça um intervalo de meia hora. Nesse descanso maior vai sair da fase de concentração e dar ao cérebro um merecido descanso. Diversos estudos comprovam a eficácia deste modelo.

Para mim o Pomodoro funciona lindamente, mas a minha produtividade é maior quando os meus períodos de trabalho são algo mais longos. Respeito as pausas de 5 minutos, mas costumo trabalhar 40 ou 45. Às vezes não sigo o relógio, a própria atividade pede-me para sair da concentração ou trabalhar de modo diferente. Nesses casos, o sentido comum é sempre o melhor, mas sinto que devo manter uma espécie de “metaconsciência” que me impeça de cair nas redes da internet (ou, se estiver a trabalhar no meu escritório em casa, nas lides domésticas…).

+1. Continue a treinar!

Se já tiver praticado meditação algumas vezes, saberá que a concentração é um músculo que se treina. Por isso, quanto mais conseguir focar-se no trabalho e na vida, mais fácil ser-lhe-á ser produtivo.

Afinal, como em tudo, a prática faz o mestre!

E você, que métodos usa para se concentrar? Partilhe aqui!

5 comentários em “5 métodos para encontrar a concentração perdida e aumentar a sua produtividade

    • Marta Autor do artigoResponder

      Obrigada, Paula!
      Fico muito feliz por teres gostado.
      És a primeira pessoa a comentar o blog 🙂
      Beijo,
      Marta

  1. Paula Macedo Responder

    E volto aqui várias vezes quando sinto que preciso de reler e repescar uma ideia para o meu dia.

    • Marta Autor do artigoResponder

      Volta sempre, querida Paula!
      Muito grata por isso!
      Beijnhos

  2. Pingback: Toda a verdade sobre as férias | MLSoluciona

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *